top of page
Buscar

SOBRE O SAMBA: MOACYR LUZ

Vamos falar sobre o ícone MOACYR LUZ.



Moacyr Luz Silva nasceu no Rio de Janeiro em 5 de abril de 1958. Passou a infância ouvindo o clarinete tocado pelo avô, músico da banda do corpo de bombeiros. Perdeu o pai aos 15 anos e costumava tocar violão para matar a saudade. Ainda jovem, se encantou com o samba, ao ouvir os primeiros acordes bem tocados de um violão.


Percebeu que esse seria seu ofício. O violonista e guitarrista Hélio Delmiro, de quem sofreu grande influência, foi seu primeiro parceiro de cordas e sua principal influência no início de sua formação musical.

Moacyr desejava apenas ser um bom instrumentista, mas aos poucos foi se percebendo também como compositor e cantor. Com Aldir Blanc, parceiro de longa data, ele divide a autoria de centenas de composições. Tudo começou em 84, com “A Tua Sombra”, faixa do disco de estréia, e seguiu com a música que virou hit de novela “Mico Preto” e muitas outras composições que já estão imortalizadas.


Moacyr Luz e Aldir Banc


Em 1988 lançou “Moacyr Luz”, seu disco de estréia que contava com a participação do virtuoso violonista Raphael Rabelo, além do sempre parceiro Blanc.



Em 95 lançou “Vitória da ilusão”, no qual participaram as Pastoras da Portela, um quarteto de cordas e um grupo de percussão africana – Moacyr celebrava, assim, 10 anos de parceria com Blanc. “Mandingueiro” foi seu terceiro álbum. Lançado em 98, o disco, que trazia os mestres Nei Lopes e Paulo César Pinheiro, conquistou grandes elogios da crítica. Depois veio “Na Galeria”, em 2001, quando Moacyr interpreta bambas como Cartola, Noel Rosa e Paulinho da Viola, colhendo, mais uma vez, elogios da imprensa. Em seu quinto disco, “Samba da Cidade”, apresenta músicas gravadas com Wilson Moreira, Martinho da Vila, Paulo Cesar Pinheiro, Wilson das Neves, Nei Lopes e Luiz Carlos da Vila.



Em 2005, veio “A Sedução Carioca do Poeta Brasileiro”, no qual transforma em música obras de poetas como Ferreira Gullar, Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, Vinicius de Moraes e Mário de Andrade, acompanhado do excelente sexteto de choro Água de Moringa. Segundo Moacyr, foram 10 anos construindo este CD de samba e choro, que passeia pelo lado lírico da Cidade Maravilhosa.


No último disco solo, “Violão e Voz”, ele relê, no formato acústico, algumas de suas canções, somadas a clássicos imortais da música brasileira.



Entre tantas pérolas, “Saudades da Guanabara”, parceria com Paulo César Pinheiro, é certamente uma de suas obras mais representativas, uma autêntica declaração de amor à cidade.


Moacyr atua também como produtor etraz os Cds de Casquinha e Guilherme de Brito, além do “Samba do Trabalhador – Renascença Samba Clube”, fruto de sua consagrada roda “Samba do Trabalhador”, uma ironia ao horário e dia ingratos em que é realizada (das 14 às 20 horas nas segunda-feiras).


Idealizador, produtor e líder desse movimento:Samba do Trabalhador, Moacyr Luz, ao criá-lo, não tinha maiores pretensões. Queria apenas promover o encontro informal de músicos que trabalham nos fins de semana e descansam na segunda-feira. Mas o sucesso foi tão grande que ganhou registro em cinco CDs e dois DVDs.



Fazendo samba,lançado pela Biscoito Fino, traz 16 faixas, sendo 12 inéditas. Entre elas, as que Moa compôs com parceiros, como Toninho Geraes (A cara do Brasil), Xande de Pilares (Das bandas de lá e dora de moda), Sereno (Eu sou batuqueiro), Wanderley Carvalho (Loucos de inspiração) e Zeca Pagodinho ; a que dá título ao álbum. Entre as regravações estão os clássicos Ronco da cuíca (João Bosco e Aldir Blanc) e Sorriso negro (Adilson Barbado, Jair e Jorge da Portela.



Discografia


(2020) Fazendo samba (c/ Samba do Trabalhador) • Biscoito Fino • CD

(2018) Natureza e Fé • Biscoito Fino • CD

(2017) Moacyr Luz & Samba do Trabalhador – Ao vivo no Bar Pirajá • Universal Music • CD

(2017) Moacyr Luz & Samba do Trabalhador – Ao vivo no Bar Pirajá • Universal Music • DVD

(2017) Cartas africanas (c/ Carlos Di Jaguarão) • Tratore • CD

(2016) Dobrando a carioca ao vivo (c/ Zé Renato, Jards Macalé e Guinga) • Biscoito Fino • CD

(2016) Dobrando a carioca ao vivo (c/ Zé Renato, Jards Macalé e Guinga) • Biscoito Fino • DVD

(2015) 10 Anos & Outros Sambas • Ritmiza Produções • CD

(2013) Moacyr Luz e o Samba do Trabalhador – Ao Vivo no Renascença Clube • Lua Music • CD

(2013) Moacyr Luz e o Samba do Trabalhador – Ao Vivo no Renascença Clube • Lua Music • DVD

(2013) Pirajá – Esquina Carioca – A Cozinha do Samba (c/ Aldir Balnc, Monarco, Tia Surica e Martinho da Vila) • Dabliú Discos

(2013) Pirajá – Esquina Carioca – A cozinha do samba (vários) • Dabliu Discos • CD

(2009) Batucando • Biscoito Fino • CD

(2005) A sedução carioca do poeta brasileiro (Moacyr Luz) • Trio de Janeiro • CD

(2005) Voz & Violão (Moacyr Luz) • Deckdisc • CD

(2003) Samba da Cidade (Moacyr Luz) • Lua Discos • CD

(2001) Na galeria (Moacyr Luz) • Lua Discos • CD

(1998) Mandingueiro (Moacyr Luz) • Dabliú • CD

(1995) Vitória da ilusão (Moacyr Luz) • Caju/Marcujás • CD

(1988) Moacyr Luz 1988 (Moacyr Luz) • Independente/Dabliú

() 2009 - Batucando (Moacyr Luz) - Biscoito Fino – CD


Sua obra é vasta e rica :

  • A cara do Brasil (c/ Toninho Geraes)

  • A cereja e o vermute (c/ Aldir Blanc)

  • A morte é uma invenção (c/ Joyce Moreno)

  • A natureza chora (c/ Sereno)

  • A pedra do zarolho (c/ Carlos Di Jaguarão)

  • A reza do samba (c/ Gustavo Clarão)

  • Agogô de Cosme (c/ Carlos Di Jaguarão)

  • Ah! Yolanda (c/ Carlos Di Jaguarão)

  • Alafim (c/ Aldir Blanc)

  • Angola – Djanga (c/ Carlos Di Jaguarão)

  • Anjo da velha-guarda (c/ Aldir Blanc)

  • Anjo vagabundo (c/ Luiz Carlos da Vila)

  • Ao Chico com carinho (c/ Edmundo Souto e Paulinho Tapajós)

  • Aquário (c/ Aldir Blanc)

  • Atravessado (c/ Fred Camacho e Pretinho da Serrinha)

  • Banguelas (c/ Hermínio Bello de Carvalho)

  • Batutando um samba para Alice (c/ Alice Holz Marques e Carlos Di Jaguarão)

  • Beleza em diamante (c/ Sereno)

  • Bem que mereço (c/ Moyseis Marques)

  • Benza, Deus (c/ Luiz Carlos da Vila)

  • Briga de família (c/ Wilson Moreira)

  • Cabô, meu pai (c/ Aldir Blanc e Luís Carlos da Vila)

  • Cachaça, árvore e bandeira (c/ Aldir Blanc)

  • Camarão vergê

  • Camunga (c/ Aldir Blanc)

  • Canta, sabiá (c/ Sereno)

  • Chapéu panamá (c/ Wilson das Neves e Mestre Trambique)

  • Choro das ondas (c/ Aldir Blanc)

  • Clareou (c/ Aldir Blanc e Ivan Lins)

  • Coisa di madame (c/ Carlos Di Jaguarão)

  • Conto de fadas (c/ Luiz Carlos da Vila)

  • Coração do agreste (c/ Aldir Blanc)

  • Coração magoado (c/ Toninho Geraes e Chico Alves)

  • Coração vazio (c/ Sereno)

  • Cria do Samba (c/ Álvaro Santos e Mingo Silva)

  • Daquela mulher (c/ Hermínio Bello de Carvalho)

  • Das bandas de lá (c/ Xande de Pilares)

  • De Santos Dumont aos travestis: Paris (c/ Aldir Blanc)

  • Decidida (c/ Aldir Blanc)

  • Delírio da baixa gastronomia

  • Delírio da baixa gastronomia

  • Divina Mangueira (c/ Paulo César Pinheiro)

  • Do um ao seis (c/ Aldir Blanc)

  • Domingo é dia (c/ Rogério Batalha)

  • Dona de mim (c/ Aldir Blanc)

  • Dona de tudo (c/ Rogério Batalha)

  • Dona invocada (c/ Aldir Blanc)

  • É bom e eu gosto (c/ Sérgio Natureza)

  • Ecumenismo (c/ Nei Lopes)

  • Encontros cariocas (c/ Aldir Blanc)

  • Enluarada (c/ Aldir Blanc)

  • Estranhou o quê?

  • Eu me descubro

  • Eu só quero beber água

  • Eu sou batuqueiro (c/ Sereno)

  • Faça chuva ou faça sol (c/ Aldir Blanc)

  • Fazendo samba (c/ Zeca Pagodinho)

  • Feito o mar (c/ Aldir Blanc)

  • Flores em vida pra Nelson Sargento (c/ Aldir Blanc)

  • Fora de moda (c/ Xande de Pilares)

  • Fundamental (c/ Aldir Blanc)

  • Gostei do laiá-laiá (c/ Fred Camacho e Pretinho da Serrinha)

  • Gosto (c/ Zélia Duncan)

  • Gotas de luz (c/ Aldir Blanc)

  • Ilha das cobras (c/ Carlos Di Jaguarão)

  • Itajara (c/ Aldir Blanc)

  • Joana namíbiana (c/ Carlos Di Jaguarão)

  • Joia rara (c/ Sereno)

  • Jorge da cavalaria (c/ Serjão)

  • Lembrando de você (c/ Sérgio Souto)

  • Loucos de inspiração (c/ Wanderley Monteiro)

  • Maçã tatuada (c/ Aldir Blanc)

  • Manancial da luz (c/ Carlos Di Jaguarão)

  • Mandingueiro (c/ Aldir Blanc)

  • Maré de retorno (c/ Carlos Di Jaguarão)

  • Matando a pau (c/ Sérgio Natureza)

  • Me diz, ó Deus Sete dias (c/ Hermínio Bello de Carvalho)

  • Medalha de São Jorge (c/ Aldir Blanc)

  • Meu canto é pra valer (c/ Moacyr Luz)

  • Meu Deus, meu Deus, está extinta a escravidão? ( c/ Claudio Russo, Jurandir, Zezé e Aníbal)

  • Meu impasse (c/ Aldir Blanc)

  • Meu nego (c/ Hermínio Bello de Carvalho)

  • Meu tempero é sal (c/ Aldir Blanc)

  • Mico preto (c/ Aldir Blanc)

  • Mitos cariocas: Lan (c/ Aldir Blanc)

  • Motéis (c/ Aldir Blanc)

  • Mulher de Capricórnio (c/ Aldir Blanc)

  • Na ginga do amor (c/ Martinho da Vila)

  • Natureza e fé (c/ Teresa Cristina)

  • No Baile do Almeidinha (c/ Hamilton de Holanda)

  • No compasso do samba (c/ Sereno)

  • No mesmo colar (c/ Aldir Blanc e Paulo Emílio)

  • No pedaço (c/ Sérgio Natureza)

  • O amigo do rei (c/ Aldir Blanc)

  • O amor fala em você (c/ Luiz Carlos da Vila)

  • O mar no Maracanã (c/ Aldir Blanc)

  • O papel e o mar (c/ Claudio Russo, Diego Nicolau e Teresa Cristina)

  • O Santo e o Rei – Encantarias de Sebastião (c/ Cláudio Russo, Aníbal, Píer, Júlio Alves e Alessandro Falcão)

  • O tocador é bom

  • Palácio de lágrimas (c/ Aldir Blanc)

  • Paris, de Santos Dumont aos travestis (c/ Aldir Blanc)

  • Periga (c/ Fagner)

  • Por aí... (c/ João Donato)

  • Por escrito (c/ Aldir Blanc)

  • Pra que pedir perdão (c/ Aldir Blanc)

  • Praça Mauá: que mal há? (c/ Aldir Blanc)

  • Quando o amor acaba (c/ Hermínio Bello de Carvalho)

  • Quando o samba veio me buscar (c/ Roberto Didio)

  • Quando se é popular (c/ Wilson das Neves)

  • Quatro tempos (c/ Aldir Blanc)

  • Que batuque é esse? (c/ Sereno)

  • Queimada (c/ Aldir Blanc)

  • Rainha negra (c/ Aldir Blanc)

  • Reencontro (c/ Aldir Blanc)

  • Restos de um naufrágio (c/ Aldir Blanc)

  • Rubra paixão (c/ Aldir Blanc)

  • Samba de fato (c/ Paulo César Pinheiro)

  • Samba de Obá (c/ Jorge Aragão)

  • Samba dos passarinhos (c/ Martinho da Vila)

  • Samba em vão (c/ Fagner)

  • Samba pro Geraldo (c/ Aldir Blanc)

  • São Jorge gari (c/ Carlos Di Jaguarão)

  • Saravá Brasil (c/ Paulo César Pinheiro)

  • Saudade d’África (c/ Carlos Di Jaguarão)

  • Saudades da Guanabara (c/ Aldir Blanc e Paulo César Pinheiro)

  • Separação (c/ Aldir Blanc)

  • Sete dias (c/ Hermínio Bello de Carvalho)

  • Sinhá, sinhô (c/ Carlos Di Jaguarão)

  • Sinhá, sinhô (c/ Carlos Di Jaguarão)

  • Sinhô, sinhá (c/ Carlos Di Jaguarão)

  • Só dói quando eu rio (c/ Aldir Blanc)

  • Só o amor constrói (c/ Hermínio Bello de Carvalho)

  • Som de prata (c/ Paulo César Pinheiro)

  • Súbita primavera (c/ Fátima Guedes)

  • Tanta despedida

  • Todos os mares (c/ Aldir Blanc)

  • Tua sombra (c/ Aldir Blanc)

  • Tudo que eu vivi (c/ Wilson das Neves)

  • Vida da minha vida (c/ Sereno)

  • Vila Isabel (c/ Martinho da Vila)

  • Vinte-e-sete-zero-nove (c/ Nei Lopes)

  • Vitória da ilusão (c/ Aldir Blanc)

  • Você não parece mais você (c/ Aldir Blanc)

  • Zoeira (c/ Hermínio Bello de Carvalho)

  • Zuela de Oxum (c/ Martinho da Vila)


Moacyr Luz é um grande nome da nossa música e merece nosso apreço e respeito!


A REVISTA GINGA BRASIL tem orgulho de poder falar de grandes nomes e difundir a nossa cultura, levando o samba a todos os cantos do mundo.

53 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page